Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ideias e Ideais

... Sou das Ilhas de Bruma onde as gaivotas vêm beijar a terra...

Ideias e Ideais

... Sou das Ilhas de Bruma onde as gaivotas vêm beijar a terra...

Bem-vindo(a)

Hoje tudo o que eu queria
era a tua visita.
Não sei porquê mas fazia-me bem
que me deixasses uma mensagem.
Se não gostares do
meu cantinho diz.
Podes ficar descansado(a)
que não vou ralhar contigo.
Para quem não sabe
e me visita pela primeira vez
este é um espaço de
um Açoriano da ilha Terceira.
Aqui vou falando
da minha terra
e das minhas ideias e ideais
.Obrigado por me visitares

O Mundo Mais Pobre

29.09.07, ilhas

Faleceu o Dr. Luís Gabriel Melo

 

A freguesia de Porto Judeu perdeu, recentemente, um dos seus mais ilustres filhos o Dr. Luís Gabriel Melo.

Na Viaoceanica encontrei um texto de 2004 em que se fala deste meu conterraneo, a sua transcrição na integra neste blog constitui assim uma homenagem minha a uma pessoa, que apesar de não conhecer bem, sempre admirei por ser quem foi e por ter levado mais longe o nome da sua terra. Descansa em Paz!

 

"Luís Melo, um cientista no Porto Judeu, está envolvido numa investigação no Canadá para a criação de uma terapia que poderá evitar ataques cardíacos.
O cientista terceirense Luís Melo inventou uma terapia genética para protecção do coração contra os efeitos provocados por enfartes cardíacos.
O estudo começou em 1999 e está a ser desenvolvido por uma equipa de investigadores liderada por Luís Melo e pelo cardiologista e cientista norte-americano Victor Dzau, da Harvard Medical School de Boston.
Os investigadores utilizaram o gene HO-1 (heme oxygenase-1), descoberto por Luís Melo, que dispõe de propriedades cardioprotectivas e construíram um gene híbrido, que por sua vez foi introduzido num vírus recombinante inofensivo (Adeno Associated Virus, AAV).
É essa combinação que está na origem da terapia que poderá ser utilizada no futuro para proteger os doentes cardíacos da ocorrência de enfartes.

Na primeira fase das investigações científicas a terapia foi testada em ratos. O vírus foi utilizado para distribuir o gene protector na zona em risco do ventrículo esquerdo dos ratos de laboratório.
O ventrículo esquerdo é a parte do coração mais frequentemente afectada pela ischemia e enfarte cardíaco.
Várias semanas depois da introdução do gene, os cientistas bloquearam um dos vasos coronários que fornecem o músculo cardíaco para similar um enfarte nos animais e examinaram o efeito do tratamento de protecção contra a inflamação e necrose do miocárdio causada pelo enfarte.

Os cientistas depois de testarem a terapia em ratos concluíram que os animais que tinham recebido tratamento para desbloquear o vaso coronário sobreviveram à ocorrência de enfartes.
Em declarações ao DI, Luís Melo referiu que a segunda fase do programa de investigação vai ter início em breve com testes a realizar em animais de maior porte como cães e suínos que dispõem de uma fisiologia mais aproximada da humana.
Depois de ser comprovada a eficácia da terapia nesse tipo de animais serão então efectuados os primeiros testes em humanos.

Numa primeira fase o tratamento será efectuado através de uma injecção no músculo cardíaco, mas a intenção dos investigadores é que a mesma possa ser ministrada por via intervenosa.
“Este método que estamos a utilizar é quase uma vacina para doentes em risco de enfarte”, afirmou.
De acordo com o cientista terceirense, a terapia poderá ser essencial para que sejam administrados outros tratamentos em caso de grande risco de enfarte miocárdio.
Adiantou ainda, que numa primeira fase, a terapia só poderá ser administrada aos doentes nos hospitais que dispõem de serviços de biologia molecular para prepararem a mistura do gene com o vírus.
No entanto, Luís Melo considera que dentro de alguns anos a indústria farmacêutica poderá disponibilizar o produto que se destina a injectar nos doentes cardíacos.
Os resultados das investigações em curso foram já elogiados por John Fakunding, director do programa em pesquisa do coração no Instituto Nacional do Coração, Pulmão e Sangue dos Estados Unidos, que considerou o trabalho como “único e inovador” com grande possibilidade de uso na clínica em pouco tempo.

SALVAR O CORAÇÃO
Por outro lado, Luís Melo está também envolvido noutro programa de investigação que tem como objectivo recuperar os tecidos que são danificados depois da ocorrência de ataques cardíacos.
Trata-se de uma investigação desenvolvida na área da fisiologia molecular que tem como objectivo regenerar o tecido do coração que foi afectado devido à ocorrência de um enfarte através da utilização de células estaminais.
As células são injectadas na zona do coração depois de terem sido retiradas da módula óssea.

PERFIL
Luís Gabriel Melo nasceu na freguesia do Porto Judeu, Terceira, em 1960.
Com 18 anos de idade emigrou para o Canadá, onde prossegui a sua formação académica superior na Universidade de Toronto e em Boston (Harvard Medical School).

Para além de exercer funções como professor de Fisiologia e Medicina no Departamento de Fisiologia e Medicina na Queen’s University (Kingston, Ontário), Luís Melo tem-se destacado pela realização de trabalhos de investigação com titular da cadeira de investigação em Cardiologia Molecular.
Os trabalhos de investigação de equipas que Luís Melo tem feito parte foram publicados em algumas das mais prestigiadas revistas científicas internacionais e receberam prémios, atribuídos por organizações científicas, sobretudo, dos Estados Unidos e Canadá.

05/08/2004

Fonte: Diário Insular (http://www.diarioinsular.com)"

 

1 comentário

Comentar post